2017-06-17

em busca da paz de espírito



De cada vez que, num mosteiro de Kyoto ou de Nara, me indicam o caminho das retretes construídas à maneira de outros tempos, meio escuras e no entanto de uma limpeza meticulosa, sinto intensamente a qualidade rara da arquitetura japonesa. Um pavilhão de chá é um local agradável, admito, mas as retretes em estilo japonês, isso sim, é algo que verdadeiramente foi concebido para a paz de espírito. Sempre à parte do edifício principal, estão colocadas ao abrigo de um bosquezinho de onde nos chega um aroma de folhagem verde e musgo; depois de, para lá chegar, se ter seguido por uma galeria coberta, de cócoras na penumbra, envoltos na luz suave dos shõji e mergulhados em pensamentos, experimenta-se, contemplando o espetáculo do jardim que se esconde sob a janela, uma emoção impossível de descrever. 


Junichirõ Tanizaki in Elogio da Sombra

5 comentários:

  1. Se eu colocar um cano (ou mega-conduta) daqui até ao Japão, será que é o mesmo??? :D

    http://morreclarabow.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. lá ambição não te falta, boy! :)

    pois é claro que eu não troco a casinha de ladrilhos brancos onde se passa com um pano e uns tantos produtos que foram criados para nos inebriar a consciência que branco mais limpo não há. mas...sem nostalgias, nem fundamentalismos, conhecer (e quiçá experimentar) outras realidades só nos faz bem. acho eu.

    ResponderEliminar
  3. Kawabata é um excelente escritor. Uma delícia.

    ResponderEliminar